Quinta-feira, 11 de outubro de 2018

CPRM faz primeira reunião técnica integrada sobre os afundamentos no bairro Pinheiro de Maceió

Pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil se reuniram no Rio de Janeiro entre os dias 4 e 5 de outubro para apresentarem os estudos referentes ao sismo no bairro Pinheiro, em Maceió (AL)  Equipe técnica que investiga evento ocorrido em Maceió se reúne na sede da CPRM no Rio de Janeiro A palavra do ano no Serviço Geológico do Brasil é integração. E foi pensando nisso que técnicos de quase todas as unidades regionais se reuniram entre os dias 4 e 5 de outubro na sede da CPRM no Rio de Janeiro. O objetivo foi integrar os estudos obtidos de junho até hoje sobre o evento geológico e geotécnico ocorrido no bairro Pinheiro, em Maceió.

Em 3 de março deste ano, casas da região ficaram com trincas e rachaduras em virtude de afundamentos que ocorreram no local. O Ministério Público de Alagoas acionou a CPRM para identificar as causas do evento. Desde junho, profissionais de áreas como geologia, hidrologia, geofísica, geotecnia, geoprocessamento, hidrogeologia, estratigrafia e mineração realizam estudos no bairro.

A reunião da última semana compilou os dados obtidos até agora para alinhar o corpo técnico, delinear as possíveis causas e definir as próximas etapas da pesquisa. O geólogo Jorge Pimentel declarou que as conclusões da reunião vão compor um relatório que será apresentado ao Ministério Público de Alagoas, assim como um informe dos estudos realizados. “O objetivo do nosso encontro aqui e dos trabalhos que temos desenvolvido é garantir a segurança da população do bairro estudado que chega a mais de 30 mil pessoas. O conjunto de técnicos trabalhando de forma integrada é o grande ganho da nossa empresa”, diz Pimentel.

A chefe do Departamento de Gestão Territorial, Adelaide Maia, afirmou que as causas dos afundamentos na região ainda estão sendo investigados. “Há várias hipóteses: uma sobre a mineração de sal do local estar provocando essas fissuras nas casas; outra sobre a super exploração do aquífero estar causando essa subsidência e também outra que é geológica, ou seja, pode ser uma causa tectônica mesmo”, explica Maia. Sobre os métodos utilizados, ela esclarece: “Nós já fizemos todo o levantamento das rachaduras e trincas nas moradias. Também realizamos um trabalho com GPR para detectar como está o substrato abaixo das casas em busca de cavidades, fraturas e colapsos na superfície. Agora estamos iniciando um trabalho de batimetria na Lagoa de Mandaú que talvez tenha alguma relação com o evento e também um estudo de interferometria, que é a avaliação da superfície em diferentes épocas, para ver onde pode haver subsidência”.

O pesquisador em geociências Heródoto Goes saiu de Belo Horizonte para participar do encontro. Para ele, o que mais chamou atenção foi constatar, a partir do mapeamento de evidências superficiais apresentado na reunião, que o afundamento do bairro persiste e que a área atingida se ampliou de lá para cá, acelerando o processo de rachadura das residências. “A importância de reuniões como esta é justamente a troca de conhecimento entre os diversos técnicos envolvidos. A gente consegue ter uma visão unificada e fica mais eficaz entender o processo e elaborar uma solução”, afirma Goes.

 Geólogo Thales Sampaio, assessor do Diretor de Hidrologia e Gestão Territorial, Dr. Bacelar, participa do encontro na CPRM Thales Sampaio, representante do Diretor de Hidrologia e Gestão Territorial, Antônio Carlos Bacelar, também evidenciou o caráter integrador do encontro. “Estes dois dias foram ricos especialmente pela integração das equipes e do conhecimento. Finalmente a inteligência coletiva está sendo posta a serviço das geociências e sendo disponibilizada para a sociedade”, declara o geólogo. “Com o trabalho que estamos realizando em Maceió nós também encurtamos a distância entre o Serviço Geológico do Brasil, uma empresa de pesquisa em conhecimento técnico científico, com a população local, que hoje sabe perfeitamente o papel relevante que a CPRM tem para sociedade”, conclui.

Ix Chel de Carvalho
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
asscomdf@cprm.gov.br
(61) 2108-8400

© Copyright CPRM 2016-2018. Todos os direitos reservados.