Quinta-feira, 30 de março de 2017

CPRM apresenta resultados do estudo sobre Lítio em Minas Gerais

 O evento reuniu na Superintendência de Belo Horizonte cerca de 110 pessoas Belo Horizonte – O estudo produzido pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) aponta áreas potenciais para a descoberta de novos depósitos de lítio no país, principalmente, na região do Vale do rio Jequitinhonha, no nordeste do estado de Minas Gerais. Ao todo, o trabalho mapeou 45 ocorrências, sendo 20 inéditas desse elemento químico que foram estudadas e classificadas pelos pesquisadores da instituição.

A apresentação dos resultados do estudo reuniu nesta-quinta-feira (30/3), na capital mineira, representantes do setor mineral do estado, universidades, centros de pesquisa, empresas e de fundos de investimentos interessados em conhecer o potencial das reservas de lítio.

“O lítio hoje é um mineral estratégico no mundo. E o resultado desse trabalho mostra um salto em nossos reservas, saímos de 0.5% para 8% das reservas do mundo. Temos um elemento estratégico e tecnologia disponível no mercado para beneficiamento. Isso representa uma vantagem competitiva”, disse Eduardo Ledsham, diretor-presidente da CPRM, na abertura do evento.

 Público acompanhando a apresentação dos dados disponibilizados Ledsham avalia que a pesquisa é uma alavanca para o crescimento econômico do estado, pois pode atrair novos investimentos e está aliado ao programa de governo que busca revitalizar a mineração no país, atrair novos investimentos e antecipar demandas futuras de mercado.

Paulo Brant, superintendente de Relações Institucionais da Federação das Indústrias do Estado de Minas (FIEMG), observa que o estudo chega em um momento oportuno, e é exemplo de como o governo pode contribuir para atuação da iniciativa privada. “Tem áreas onde o governo é indispensável. Esse trabalho de pesquisa é um exemplo disso, pois dá subsídios para que as empresas possam se decidir como e onde investir”, diz. Brant, acrescentando que a iniciativa pode contribuir para inserir a mineração em um novo modelo de desenvolvimento sustentável que a sociedade exige.

 Vinícius Paes apresentando os resultados do projeto Calvyn Gardner, representante de um fundo de investimentos da Inglaterra que busca novas oportunidades de negócios no Brasil, avalia que o estudo chega em um momento em que diversas empresas internacionais que desejam atuar no país estão buscando informações para tomada de decisão. Seu grupo investirá 40 milhões de dólares para colocar uma planta industrial em operação para produzir 60 mil toneladas por ano. “Passamos vários anos testando várias áreas. Se esse estudo estivesse pronto quando chegamos, certamente, não teríamos demorado tanto a descobrir uma com potencial”.

O geólogo da CPRM Vinícius Paes, que participou da pesquisa destaca que o projeto não apenas identificou novas áreas potenciais para lítio no país, como também ampliou o conhecimento de áreas mineralizadas já conhecidas. Ele conta que o projeto envolveu estudo e amostragem de pegmatitos, a rocha que contém o mineral, processamento e interpretação de dados de aerolevantamentos geofísicos, interação com empresas de mineração e moradores da região e, por fim, a compilação de informação sobre química mineral de pegmatitos da região, geoquímica de suas rochas encaixantes e geoquímica prospectiva de sedimentos de corrente e concentrados.

Confira a apresentação: http://bit.ly/SlidesPotencialDoLítio.

Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
asscomdf@cprm.gov.br
(61) 2108-8400
  • Imprimir