Quinta-feira, 15 de abril de 2021

Rios atingem cota de inundação, confirmando prognóstico do Serviço Geológico do Brasil de grande cheia no Amazonas

Previsão é de cheia em níveis entre as máximas já registradas nos rios Negro, Solimões e Amazonas nos meses de junho e julho Os rios do Amazonas continuam em processo de subida de níveis, apresentando cotas acima da normalidade nos últimos dias, acompanhando o prognóstico do Serviço Geológico do Brasil de cheia de grande magnitude em 2021.

Em Manaus (AM), o rio Negro atingiu a cota de inundação (27,50m), causando os primeiros pontos de alagamentos e está registrando hoje, dia 15/04, o nível de 28,08 metros no Porto de Manaus. O rio está a um metro da cota de inundação severa (29 metros). A previsão é que a cota máxima desse ano esteja dentro da faixa de 28,55m a 30,35m, considerando um intervalo de confiança de 90%, segundo o modelo utilizado.

Em Manacapuru (AM), o rio Solimões também segue subindo, já acima da cota de inundação, registrando hoje 18,89m, nível acima do esperado para essa época do ano. Para Manacapuru, a previsão é que o rio atinja 20,27m em média, podendo variar entre 19,20 e 21,20 m, com 90% de confiança.

Em Itacoatiara (AM), o rio Amazonas acaba de entrar em cota de inundação, com nível hoje de 14,02m. O prognóstico indica que neste ano a cota de inundação severa (14,20 m) tem a probabilidade de 97% de ser atingida.

O primeiro Alerta de Cheias de Manaus emitido em 2021 pelo Serviço Geológico do Brasil, que previa a situação atual dos rios, foi emitido em 31 de março. O próximo alerta está marcado para 30 de abril.

MAIOR BACIA HIDROGRÁFICA DO MUNDO - As cheias máximas anuais da região central da Amazônia (Manaus e proximidades) normalmente ocorrem entre os meses de junho e julho. O que determina a magnitude dessas cheias é a chuva que ocorre em todas as bacias que drenam pra essa região, como a bacia do Negro, do Solimões e todos os seus afluentes (Purus, Juruá, Japurá, Jutaí e etc), incluindo suas áreas externas ao Brasil, na Colômbia, Peru e Equador. A Bacia Hidrográfica do Amazonas é a maior bacia hidrográfica do mundo.

REDE HIDROMETEOROLÓGICA NACIONAL — Os Sistemas de Alerta Hidrológico implantados e operados pela CPRM tem o apoio da Agência Nacional de Água (ANA), por meio de aporte de recurso para operação das estações que compõem os Sistemas, as quais fazem parte da Rede Hidrometeorológica Nacional. Das estações da RHN, mais de 200 estações de monitoramento são operadas pela unidade da CPRM em Manaus em rios amazônicos.

Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
Janis Morais
asscomdf@cprm.gov.br
(61) 2108-8400
  • Imprimir