Abertura
Coluna White - Excursão Virtual pela Serra do Rio do Rastro
Foto Varlei Mariot

Ao longo da rodovia SC- 438, na Serra do Rio do Rastro, no sul do Estado de Santa Catarina, próximo à cidade de Lauro Müller, existe um dos melhores conjuntos de afloramentos da coluna estratigráfica da margem sudeste da Bacia do Paraná, representando uma das colunas clássicas da estratigrafia do Gondwana mundial.

Esta coluna foi descrita pela primeira vez pelo geólogo americano Israel. C. White, em 1908, quando da publicação do Relatório Final dos levantamento desenvolvidos durante 1904 a 1906, para a Comissão de Estudos das Minas de Carvão de Pedra do Brasil. Colaboraram John H.Macgregor e David White, apoiados por uma equipe composta por técnicos e funcionários brasileiros. Os estudos realizados resultaram num vastíssimo acervo de dados sobre os carvões sul-brasileiros, estratigrafia e paleontologia da Bacia Sedimentar do Paraná. A partir desta data, esta coluna estratigráfica ficou consagrada como Coluna White, em homenagem àquele pioneiro.

A obra de White representa, sem dúvida, um marco que tem servido de referência a todos os trabalhos que tratam da geologia da Bacia Sedimentar do Paraná e dos carvões associados às suas formações sedimentares. A partir das observações realizadas ao longo da Serra do Rio do Rasto, foram definidas todas as unidades estratigráficas que constituem as "séries" (Tubarão, Passa Dois e São Bento), da sua coluna padrão, subdividindo-as em unidades menores , que dentro dos preceitos do Código de Nomenclatura Estratigráfica, são enquadradas nas categorias de "grupos", "formações" e "membros". As denominações introduzidas por ele para a designação destas unidades ficaram consagradas, pouco tendo sido modificada sua concepção ao longo dos tempos, demonstrando o excepcional conhecimento da ciência geológica, a perspicácia e metodologia de trabalho do autor.

Foto Varlei Mariot

A seção desenvolve-se ao longo de 17 km na rodovia SC-438, que liga Orleans a Lages, partindo da cota 200 metros junto ao Ponto 1, na cidade de Lauro Müller, subindo aos 780 metros junto ao ponto final, Ponto 17, e até cerca de 1.400 metros no topo dos derrames basálticos, no município de Bom Jardim da Serra.


Através desta Excursão Virtual à Serra do Rio do Rastro, desejam os autores contribuir para uma maior divulgação da Coluna White junto à comunidade geológica e à sociedade em geral, prestando uma homenagem a este vulto da geologia internacional e a seus colaboradores neste trabalho, além de divulgar um roteiro que constitui, por sua beleza, uma atração excepcional para qualquer viajante, reunindo legítimas condições para consolidar o que se poderia chamar de rota geoturística. Vale salientar que afloramentos e pontos de maior interesse geológico acham-se devidamente sinalizados por marcos de concreto com placa descritiva.

O Relatório Final de White foi reeditado pelo Departamento Nacional da Produção Mineral em 1988, em comemoração ao 80º aniversário de sua publicação, numa iniciativa que teve no geólogo Carlos Alfredo Bortoluzzi, então Diretor do 11º Distrito do DNPM, um grande incentivador e incansável divulgador da significância do roteiro geológico/geoturístico da Serra do Rio do Rastro.