Sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Serviço Geológico promove debate sobre terremotos no Brasil

Evento online apresentará os benefícios da Rede Sismográfica Brasileira e lembrar um dos terremotos de maior repercussão ocorrido no país

Será que vem ocorrendo mais tremores de terra no Brasil? Essa é uma das questões a ser respondida pelos especialistas da Rede Sismográfica Brasileira
Ao contrário do que o imaginário popular diz, ocorrem sim tremores de terra no Brasil e com bastante frequência. O tema, capaz de gerar muitas dúvidas e também muita curiosidade, será debatido em uma mesa redonda promovida pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), reunindo autoridades sobre o assunto, como os pesquisadores Marcelo Assumpção (USP), Marcos Ferreira (SGB-CPRM) e Aderson Farias Nascimento (UFRN), entre outros debatedores convidados. O evento online e gratuito ocorre na próxima quinta-feira, dia 19/11, às 15h, no Canal da CPRM no Youtube.

O objetivo é evidenciar os resultados do monitoramento sísmico realizado pela Rede Sismográfica Brasileira, bem como avaliar os impactos dos eventos no país, além de relembrar um dos terremotos de maior magnitude e repercussão no Brasil ocorrido há 40 anos no Ceará, conhecido como tremor de Pacajus.

O debate vai apresentar os diversos benefícios que a Rede Sismográfica oferece ao país, que vai além do monitoramento de terremotos, indicando localização, magnitude e intensidade dos tremores, com muitos outros usos importantes, como geração de mapas de risco sísmico, monitoramento de explosões e até queda de meteoritos.

Haverá emissão de certificado para os participantes.

Sobre a Rede Sismográfica - A Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) é a projeto voltado a monitorar a sismicidade do território nacional através de suas quase 100 estações sismográficas espalhadas pelo país. As estações são operadas pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis/UnB), Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN) e Observatório Nacional (ON). A RSBR conta ainda com o apoio do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Palestrantes convidados: - Marcelo Assumpção (USP) - Formado em Física (USP) em 1973, fez doutorado em Geofísica (Edinburgh, Escócia) em 1978. Trabalhou no Observatório Sismológico da UnB entre 1982 e 1988, e é atualmente professor titular sênior do Depto. de Geofísica do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP. Foi coordenador do Centro de Sismologia da USP, e coordenador da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR). Trabalha com sismicidade brasileira (mecanismos de falhamento, tensões crustais, sismicidade induzida e perigo sísmico) e também usa a Sismologia para estudos de estrutura da crosta e do manto superior no Brasil e América do Sul. Publicou 92 trabalhos em periódicos internacionais e 19 em revistas nacionais. É pesquisador 1-B do CNPq.

Aderson Farias Nascimento (UFRN) - Físico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 1996. É PhD em Geofísica desde 2002 pela University Edinburgh, UK. Atualmente é professor titular no Depto de Geofísica da UFRN.

Marcos Ferreira (SGB-CPRM) - Geofísico formado pela UnB, com mestrado em sismologia e doutorado em andamento pela mesma instituição na área da sismologia para entendimento da estruturação da crosta terrestre. Trabalha como geofísico no Serviço Geológico do Brasil desde 2016, atuando em diversos projetos auxiliando mapeamento e risco geológico, sismologia e desenvolvimento de soluções.


Janis Morais
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
asscom@cprm.gov.br
janis.morais@cprm.gov.br
  • Imprimir