Quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Serviço Geológico identifica potencial mineral ligado à indústria 4.0 no Ceará

Amostra de mão de tremolita xisto dobrado e alterado do Complexo Arábia

O Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) finalizou o mapeamento geológico da região sul do Ceará. Está disponível, a partir desta quarta-feira (15/09), a cartografia geológica de mais 36 mil km², englobando 12 folhas na escala 1:100.000.

Na área do estudo, foi identificada uma gama variada de recursos minerais como magnesita, gipsita, calcário, barita, caulim, celestita, quartzo, gemas, mármore, talco, amianto, scheelita, cromita, galena, grafita, ouro, ferro e manganês. Muitos destes minerais são considerados estratégicos, pois atendem à demanda da indústria 4.0, que engloba a tecnologia da informação e energética. Foram apontadas 17 ocorrências de cobre, duas ocorrências de ouro e 78 ocorrências de mármore.

Conforme a pesquisadora em geociências Iris Pereira Gomes, esse potencial observado no Ceará deve-se a características geológicas de terrenos pré-cambrianos. “Regiões contendo rochas pré-cambrianas tem uma diversidade geológica que normalmente hospeda bens minerais, principalmente metálicos, como é o caso dos ambientes geológicos existentes nas províncias minerais de Carajás e do Quadrilátero Ferrífero”, explicou.

A expectativa é fomentar, futuramente, estudos detalhados e quem sabe abrigar um novo empreendimento de produção mineral na região. “Só uma pesquisa geológica mais detalhada, enfocando as substâncias minerais potenciais desta sequência, pode sugerir a possibilidade de um futuro empreendimento”, pontua Iris.

Estima-se que, em média, investigações geológicas mais complexas demorem cerca de dez anos para serem concluídas, desde as etapas iniciais até o empreendimento ser considerável viável economicamente e cumprir todas as exigências ambientais necessárias para se viabilizar como uma alternativa concreta de desenvolvimento sustentável.

Os estudos geológicos servem de base para o setor mineral, que tem registrado excelentes resultados para a economia do país. No primeiro semestre, representou cerca de 28% das exportações (38.8 bilhões de dólares), o que corresponde a um aumento de 66% em comparação ao mesmo período do ano passado. Mesmo em meio a pandemia, em relação ao mercado de trabalho, o setor gerou 11 mil empregos no primeiro trimestre, crescimento formal de 7.7%, de acordo com a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Afloramento de blocos de rochas calciossilicáticas no semiárido cearense
Inserido em uma das novas fronteiras da pesquisa mineral do país, parte do estado do Ceará está geologicamente ligado à Província da Borborema, onde atualmente há várias pesquisas focando bens metálicos de substâncias como ferro, vanádio, titânio, ouro, platinoide (paládio e platina), níquel, cobre, cobalto e cromo. Destaca-se atualmente a implantação do empreendimento da mina de Itataia para exploração de urânio e fosfato, que está em fase de liberação ambiental.

O estudo do SGB-CPRM permite individualizar diversas unidades litoestratigráficas fanerozoicas, proterozoicas e arqueanas, que possibilitaram mudanças significativas na compreensão da geologia da região sul Ceará. Dentre as várias novidades, destaca-se a sequência metavulcanossedimentar de idade sideriana (Complexo Arábia), que contém diversas ocorrências de formações ferríferas.

Na região do estudo, já existem empreendimentos mineiros. Mineração de magnesita (Magnesium do Brasil S/A) no município de Jucás; mineração de gipsita (Chaves Mineração e Indústria) nos municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri; e mineração de rocha calcária para revestimento (pedra cariri) nos municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri por meio da Cooperativa de Mineração dos Produtores da Pedra Cariri.

O nome do projeto refere-se à abrangência territorial, que percorre do oeste (Bacia do Cococi) até o lado leste do Ceará, região do município de Granjeiro e adjacências. Nesse área, foram mapeados os municípios de Parambu, Tauá, Arneiroz, Catarina, Aiuaba, Antonina do Norte, Saboeiro, Campos Sales, Salitre, Potengi, Araripe, Santana do Cariri, Nova Olinda, Altaneira, Cariús, Acopiara, Quixelô, Iguatu, Orós, Icó, Jucás, Cedro, Umari, Lavras de Mangabeira, Várzea Alegre, Farias Brito, Baixio, Ipaumirim e Aurora. A pesquisa se estende aos municípios de Cajazeiras, na Paraíba, e Pio IX, no Piauí.

Mapa de localização e acesso à área do Projeto Mapeamento Geológico e Integração Geológica-Geofísica-Geoquímica na Região de Granjeiro-Cococi, Ceará
De acordo com o diretor de Geologia e Recursos Minerais do SGB-CPRM, Marcio Remédio, através deste projeto a empresa dá continuidade à política governamental de atualizar o conhecimento geológico do país, através dos levantamentos geológicos básicos, geoquímicos e geofísicos, e da avaliação integrada das informações, fundamental para o desenvolvimento regional e importante subsídio à formulação de políticas públicas e de apoio à tomada de decisão de investimentos. “Com a disponibilização destes produtos, espera-se contribuir para o desenvolvimento do conhecimento geológico do território brasileiro, atrair investimentos e fomentar a implantação de novos empreendimentos mineiros na região, promovendo a geração de empregos e o desenvolvimento regional do Ceará", afirma.

Live de Lançamento - As informações serão apresentadas em uma transmissão ao vivo na TV CPRM no Youtube, às 15h, pela pesquisadora em geociências Iris Pereira Gomes. O professor Afonso de Almeida, da Universidade Federal do Ceará. Os geólogos Irabson Cavalcante e Ismael Pinheiro, que atuam no setor privado, também debateram sobre o conhecimento geológico na região. Acesse a transmissão pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=6V-d2u5sBuY

“Para mim foi uma honra participar do lançamento desse trabalho, um trabalho extremamente meticuloso, realizado numa região extremamente difícil, de uma geologia muito complicada, onde dois grandes domínios tectônicos se juntam para compor uma geologia diversa”, avaliou Afonso de Almeida.

“Gostaria de lembrar que todos os dias de trabalho, eu tiro meia hora pra olhar os shapes do SGB-CPRM, os dados que ficam no site da empresa, pois é uma fonte de informação segura, que orienta quem está pesquisando e nos poupa de perder tempo, andar a toa. Então, o SGB-CPRM cumpre seu papel de difundir a informação com a maior qualidade possível”, elogiou Ismael Pinheiro.

“Até mais ou menos 20 anos atrás nós tínhamos apenas duas cartas de 1:100.000, esse avanço contribui bastante para quem trabalha no setor. Com certeza, uma obra desse tipo, serve de aporte e referência para profissionais que atuam nessa área e também para empreendedores da áreas”, Irabson Cavalcante.

Afloramento de metavulcânica félsica datado em 650 milhões de anos
Os novos dados e informações disponibilizados pelo SGB-CPRM para incentivar a pesquisa mineral no estado de Ceará, obtidos no Projeto “Mapeamento Geológico e Integração Geológica-Geofísica-Geoquímica na Região de Granjeiro-Cococi, Ceará”, vinculado ao Programa Geologia, Mineração e Transformação Mineral, coordenado pelo Ministério de Minas e Energia, estão disponíveis gratuitamente no portal do SGB-CPRM. Basta acessar o Repositório Institucional de Geociências (Rigeo) https://rigeo.cprm.gov.br/handle/doc/18691, além de um conjunto expressivo de bases de dados de afloramentos, recursos minerais e geoquímica, disponíveis no GeoSGB
https://geosgb.cprm.gov.br/):

Janis Morais
Bettina Gehm
Renan Adnet
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil (SGB- CPRM)
Ministério de Minas e Energia
imprensa@cprm.gov.br


  • Imprimir