Sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Serviço Geológico do Brasil lançará cursos EAD para profissionais de Defesa Civil

Os profissionais de Defesa Civil em níveis estaduais e municipais terão a oportunidade de participar de capacitações ofertadas pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) e aprimorar o conhecimento técnico nas atividades de percepção e mapeamento de áreas de risco geológico. Com as limitações de atividades de campo devido à pandemia, a empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia lançará em setembro os cursos na modalidade de Ensino a Distância (EAD), contemplando inicialmente cerca de 200 profissionais dos estados de São Paulo, Espírito Santo, Pernambuco, Minas Gerais e Mato Grosso.

Capacitações do SGB-CPRM eram realizadas presencialmente, mas, devido à pandemia, a solução para continuidade foi o lançamento dos cursos EAD. Foto: ASSCOM-SGB (ARQUIVO) Os cursos serão realizados pelo Departamento de Gestão Territorial (Deget) do SGB, por meio da Divisão de Geologia Aplicada (Digeap), que desenvolve ações para identificar e caracterizar atributos do meio físico em relação ao risco geológico, orientando a tomada de decisões dos órgãos estaduais e municipais para reduzir os danos materiais e perdas de vidas humanas em eventuais deslizamentos, escorregamentos, erosões diversas, assoreamentos e inundações. Os cursos são gratuitos, com início a partir da próxima semana, e serão divididos em módulos com conteúdos teóricos e uma atividade prática.

"Considerando o cenário recorrente de desastres causados por eventos adversos de natureza geológica nos estados brasileiros, fica clara a necessidade e importância das atividades de capacitação contínua dos profissionais atuantes em ações de planejamento urbano e Defesa Civil. Dessa forma, é nesse contexto que o Serviço Geológico do Brasil promoverá os cursos EAD, em consonância com sua missão de gerar e disseminar conhecimento geocientífico com excelência, contribuindo para melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento sustentável do Brasil”, diz Julio Lana, que é coordenador-executivo da Ação de Mapeamento de Áreas de Risco Geológico do SGB-CPRM.

Os profissionais poderão aprimorar os conhecimentos para atuação em atividades de planejamento urbano, Defesa Civil e prevenção de desastres Durante os módulos dos cursos EAD, os participantes inscritos pelas Defesas Civis estaduais poderão conhecer os conteúdos teóricos básicos relacionados às atividades de percepção e mapeamento de áreas de risco geológico. Segundo Julio Lana, no último módulo do curso ocorrerá uma atividade prática sobre a leitura e o uso dos mapeamentos de áreas de risco na prevenção de desastres.

"Vamos transmitir conceitos, critérios e aspectos metodológicos relacionados ao reconhecimento, caracterização e delimitação de áreas de risco geológico. Serão quatro módulos, todos formatados para profissionais com atuação em atividades de planejamento urbano, Defesa Civil e prevenção de desastres relacionados a eventos adversos de natureza geológica", acrescenta o coordenador-executivo.

Dados de mapeamento
Os quatro estados contemplados nos primeiros cursos EAD têm áreas mapeadas pelo Serviço Geológico do Brasil em relação ao risco geológico. Sendo assim, na avaliação de Julio Lana, a capacitação vai contribuir para aprimorar o desempenho dos profissionais destas localidades que desenvolvem atividades de planejamento urbano e prevenção de desastres.

O Espírito Santo é um dos estados com a área 100% mapeada pela equipe da Digeap. A região é composta por 78 municípios e tem uma população estimada em mais de 04 milhões de habitantes, segundo dados do censo de 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No estado, conforme o mapeamento do SGB-CPRM, cerca de 317 mil pessoas vivem mais de 70.990 moradias localizadas em aproximadamente 1.060 setores de risco geológico.

Setorização de risco realizada pelo SGB-CPRM já contemplou mais de 1600 municípios brasileiros Em Pernambuco, a capital Recife e mais 86 cidades foram mapeadas. Ao todo, foram identificadas mais de 239 mil pessoas vivendo em cerca de 59 mil moradias situadas em aproximadamente mil setores de risco. Já em Minas Gerais, a Digeap do Serviço Geológico do Brasil mapeou 192 municípios, onde há mais de 608 mil mineiros em cerca de 136 mil moradias situadas em mais de 2.900 setores de risco.

No estado de São Paulo, o mapeamento já alcançou 119 cidades com a identificação de mais de 423 mil pessoas vivendo em cerca de 108 mil moradias localizadas em aproximadamente 2.878 setores de risco. Em Mato Grosso, 18 municípios foram mapeados e foram identificadas mais de 10.200 pessoas que vivem em cerca de 2.500 moradias situadas em 98 setores de risco.

Ao todo, o Serviço Geológico do Brasil mapeou, entre 2012 e 2020, 1.605 municípios brasileiros e identificou que quase quatro milhões de pessoas vivem em situação de risco. Todos os dados são públicos e estão disponíveis para consulta.



Lucas Alcântara
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil — CPRM
lucas.estevao@cprm.gov.br
asscom@cprm.gov.br
  • Imprimir