Sexta-feira, 13 de janeiro de 2023

Serviço Geológico do Brasil conclui levantamento geoquímico do Bloco Gavião, na região da Serra de Jacobina (BA)

A área concentra ocorrências de minerais valiosos como ouro, e esmeralda, além de rochas ornamentais

Localização da região estudada, à noroeste de Salvador, e distribuição das estações de amostragem
Uma área de 24 mil Km2, localizada na porção central do Estado da Bahia, foi objeto de estudo dos pesquisadores da Divisão de Geoquímica (DIGEOQ), Caroline Couto e Wilson Lopes. Em uma ação coordenada pelo Departamento de Recursos Minerais (DEREM), setor que integra a Diretoria de Geologia e Recursos Minerais (DGM) do Serviço Geológico do Brasil, foi feito um levantamento geoquímico do Bloco Gavião, localizado na região de Jacobina, no estado da Bahia. O local se destaca por ser uma unidade geotectônica que registra detalhes importantes da história do início do planeta, a exemplo das rochas mais antigas da plataforma sul-americana, recentemente descobertas na região de Piritiba.

A região, também, se destaca por sua relevante vocação mineral, e sua diversidade de jazimentos minerais, com minas em atividade, diversos garimpos e outras ocorrências com potencial para ampliação do portfólio de mineralizações conhecidas na área. Foram registradas ocorrências de minerais de ouro, manganês, cromita e esmeralda, além de uma variedade de rochas ornamentais.

Pesquisadores, técnicos e auxiliares do SGB que participaram da primeira e terceira campanha de campo
Os pesquisadores, cientes da relevância do estudo como subsídio geológico e do potencial mineral da região, enviaram esforços para concluir a etapa de levantamento amostral por sedimento de corrente e concentrado de bateia do Mapeamento Geoquímico da região. As ações de campo ocorreram de 15 de agosto à 15 de dezembro de 2022. Divididas em três campanhas, com trinta dias cada, foram amostradas 1160 estações, recobrindo, ao todo, oito folhas na escala 1:100.000, numa densidade, aproximada, de uma amostra a cada 20 Km2.

As campanhas de campo, também, contaram com a participação da pesquisadora Michele Zorzetti Pitarello DIGEOQ, além dos técnicos em geociências Reinaldo Gama e Silvia Monteiro, Warley Oliveira, dos auxiliares em geociências, Amilton de Amorim Benício e Raimundo Barbosa, e de auxiliares contratados em campo.

Raimundo Barbosa compartilhou sua experiência na preparação das amostras dos concentrados de peneira e de bateia com a equipe. A pesquisadora Caroline Couto avaliou como uma "atividade singular e de suma importância para representatividade amostral com poucos profissionais em exercício na atualidade”.

Exemplo dos dias de preparação dos concentrados de bateia das amostras coletadas nas drenagens secas da região, e imagem do colaborador, Raimundo Barbosa, coletando a amostra concentrada na bateia
Caroline também considera que “todas as estações de amostragem e suas respectivas amostras foram cadastradas ainda em campo, com as informações necessárias para registro no banco de dados do SGB, assim como foram identificadas, pesadas e acondicionadas para pronto envio ao laboratório, evitando erros em manuseios futuros”.


Núcleo de Comunicação, com informações da DEREM
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
Ministério de Minas e Energia
imprensa@sgb.gov.br

  • Imprimir