Quinta-feira, 25 de junho de 2020

Serviço Geológico do Brasil apresenta projetos de pesquisa e inovação durante live da ONIP

Cumprindo sua missão de gerar e disseminar o conhecimento geocientífico em prol da sociedade, o Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) foi um dos convidados para compor o time de especialistas que debateu sobre o potencial para óleo e gás das bacias sedimentares do Brasil, durante o Circuito Brasil de Óleo e Gás, promovido pela Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), em parceria com a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo (ABPIP), com o apoio da Firjan.

A transmissão aconteceu nesta quarta-feira (24), e contou com a participação do diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil, Esteves Colnago e do chefe do Centro de Ciências e Tecnologia do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Noevaldo Teixeira.

Na abertura do ciclo de palestras, Márcio Félix, vice-presidente Executivo da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), mencionou a satisfação em reunir os especialistas no debate e afirmou que o diálogo é sempre um propósito da organização. “A escuta ativa de cada segmento do mercado de Óleo e Gás é crucial para o bom resultado das ações do setor”, afirmou Márcio Félix.

Esteves Colnago enfatizou a contribuição dada pelo Serviço Geológico do Brasil ao setor mineral nos últimos 50 anos. Mencionou ainda que para os próximos anos, a CPRM está se preparando para assumir responsabilidades também relacionadas no setor energético.

“Somos conscientes de que esta nossa atuação deve colaborar para mitigar o risco exploratório, para os pequenos e médios investidores que estejam dispostos a assumir riscos na exploração. Particularmente em novas fronteiras exploratórias, como as bacias onshore brasileiras”, argumentou Colnago.

As linhas de atuação da CPRM acerca dos temas inovação e novas tecnologias foram abordadas pelo chefe do Centro de Ciências e Tecnologia do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Noevaldo Teixeira. O pesquisador explicou que há uma relação direta entre conhecimento geológico básico e novas descobertas, seja na área mineral, ou na área de petróleo e gás.

“Para a descoberta de novos campos de óleo e gás ou depósitos minerais são necessários, sobretudo, novas ideias geológicas e principalmente levantamentos geofísicos e geoquímicos. Reavaliações de dados já existentes ajudam, mas o principal fator de descoberta é a criação de novas tecnologias exploratórias ou ideias geológicas inovadoras. A indústria demanda por novas informações e dados e não por interpretações. Os investidores precisam aplicar seus recursos fundamentalmente em sondagem e não em levantamento de dados básicos que constituem dever do Estado”, argumentou o pesquisador.

“O Serviço Geológico do Brasil está se preparando para entrar no setor de óleo e gás através de um robusto programa de P,D&I em parceria com a ANP e Petrobras. Brevemente na Urca estará disponível o mais completo laboratório de isotopia e geocrolologia da América Latina, laboratórios de sedimentologia, paleontologia e micropaleontologia do Museu de Ciências da Terra - MCTer e a Litoteca Nacional do Pré-Sal. Tudo isso visa gerar novas informações prospectivas mitigando o risco exploratório para o investidor”, concluiu Noevaldo Teixeira.

Conheça mais sobre a parceria CPRM/ANP/PETROBRAS: Parceria estratégica entre o Serviço Geológico do Brasil, Petrobras e ANP vai impulsionar pesquisas no setor de petróleo e gás.

A live está disponível para o público através do Canal da Firjan: Circuito Brasil Óleo & Gás - Brasil e suas bacias.
Letícia Peixoto
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
asscomdf@cprm.gov.br
leticia.peixoto@cprm.gov.br
(61) 2108-8400

  • Imprimir