Sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Rio Madeira, em Porto Velho, está acima da cota de atenção


O rio Madeira na capital do estado de Rondônia está na marca de 14m24cm. Em 2019, neste mesmo período, o nível era de 13m68cm. Portanto, 56cm a mais em comparação com o ano anterior. Já em relação à cheia de 2014, o nível era de 14m60, 36cm a mais do que a cota atual. Nova Mamoré, Guajará Mirim, Costa Marques, Machadinho d’Oeste, Pimenteiras e Ji-Paraná seguem em cota normal. Ao todo, são 12 pontos de monitoramento ao longo de toda a bacia.

De acordo com o engenheiro civil do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Marcus Suassuna, o início do período de enchente no rio Madeira começou com níveis elevados, resultado de chuvas acima do normal nos últimos 30 dias. “Embora, em Porto Velho, o rio esteja acima da cota de atenção, com níveis elevados para este período do ano, não é possível prever a ocorrência de cheias semelhantes àquelas observadas em 2014”, disse. Os pesquisadores em Geociências do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), a partir de hoje (10), produzirão um boletim semanal das cheias na bacia do rio Madeira, que contará com o suporte dos modelos de previsão desenvolvidos pela empresa estatal.


 Para que o rio atinja cota de inundação, o manancial deve medir 17m
“Caso ocorram eventos extremos com possibilidades de inundação dos municípios e localidades às margens dos rios monitorados, serão emitidos boletins extraordinários com previsão de níveis. Esses boletins extraordinários serão emitidos ao menos uma vez ao dia e até que as condições de cheias retornem a níveis abaixo das cotas de alerta”, afirmou Suassuna.

Todos os dados de monitoramento gerados pelas estações telemétricas podem ser acessados em tempo real por intermédio da página (www.cprm.gov.br/sace/), onde é possível consultar em cada estação os dados de chuvas e níveis em formato gráfico ou tabular.


 Pontos de monitoramento da bacia do rio Madeira
Os Sistemas de Alerta Hidrológico implantados e operados pela CPRM tem o apoio da Agência Nacional de Água (ANA), através de aporte de recurso para operação das estações telemétricas que compõem os Sistemas, as quais fazem parte da Rede Hidrometeorológica Nacional de Referência - RHNR.

Acesse aqui o 1º Boletim desta operação.


Pedro Henrique Santos
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil (CPRM)
pedro.pereira@cprm.gov.br
(61) 99332-8728
(21) 2295-4641
  • Imprimir