Segunda-feira, 02 de dezembro de 2019

Importância da análise de consistência de dados pluviométricos é apresentado por pesquisadoras da CPRM.

A pesquisadora da CPRM Andrea Germano (esq.) e a diretora-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias no XXIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos
Avaliar dados hidrometeorológicos e obter séries de dados automáticos livres de erros e falhas são grandes desafios para estudos hidroclimáticos ambientais. A importância de realizar a calibração, aferição e análise de consistência em pluviômetros automáticos foi objeto de estudo das pesquisadoras em geociências do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Andrea de Oliveira Germano e Karine Pickbrenner. O artigo foi apresentado durante o XXIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, realizado entre os dias 24 e 28 de novembro, em Foz do Iguaçu (PR).

Andrea Germano explica que no período de 03 a 27 de janeiro de 2019, um evento de chuva intensa provocou diversos transtornos nas regiões do trecho médio do rio Uruguai e nas sub-bacias hidrográficas dos rios Ibicui e Negro. O pluviômetro automático na PCD de Uruguaiana (ANA/CPRM) registrou e transmitiu “online” acumulados de chuva de 870,8mm.

Contudo, este total extraordinário de chuva não foi verificado em nenhum outro equipamento, mesmo naqueles localizados muito próximos, o que suscitou dúvidas sobre sua representatividade. Os objetivos do artigo são apontar possíveis erros nos dados gerados por pluviômetros automáticos, salientar a necessidade de sua consistência, bem como tornar rotineira a limpeza, manutenção e calibração dos pluviômetros automáticos.

A etapa de consistência das análises de intensidades para as durações de 15min, 30min, 60min, 1 hora, 2 horas, 3 horas, 4 horas, 6 horas, 8 horas, 12 horas, 14 horas e 24 horas foi a etapa onde pode-se evidenciar a presença de erros, pois as intensidades de 540mm/h e 296,8mm/h ficaram totalmente fora dos padrões.

Foram extraídos dois erros da serie automática de dados. A curva de totais acumulados da PCD Uruguaiana, após a correção, ficou aderentes às demais curvas dos pluviômetros automáticos da região. As intensidades ficaram dentro do esperado para o evento. O objetivo final da análise e correção dos dados automáticos é estimar o tempo de retorno ou a frequência de ocorrência dos eventos de chuva ocorridos no mês de janeiro de 2019, na bacia do rio Uruguai. Na próxima etapa serão elaboradas equações intensidade-duração-frequência (IDF), utilizando metodologia descrita em Pinto (2013).

Assista ao vídeo de apresentação do trabalho.




Letícia Peixoto
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
asscomdf@cprm.gov.br
leticia.peixoto@cprm.gov.br
(61) 2108-8400
  • Imprimir