Sexta-feira, 01 de novembro de 2019

CPRM promove Conferência Internacional sobre monitoramento dos rios da América do Sul via satélites

 Reprodução: Agência Espacial Americana (NASA)
A Conferência Internacional “South America Water from Space II” é organizada pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), em parceria com o Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento da França (IRD), a Agência Espacial Francesa (CNES) e a Universidade Estadual do Amazonas (UEA). A tecnologia espacial via satélites tem sido utilizada para contribuir com o monitoramento hidrológico no Brasil desde 2008, principalmente, em áreas transfronteiriças e de difícil acesso. Pesquisadores da Europa, Estados Unidos e América do Sul estarão reunidos em busca de integração, entre os dias 4 e 7 de novembro, em Manaus, para que possam desenvolver a missão espacial SWOT (Surface Water & Ocean Topography), que será lançada em 2021. A CPRM faz parte da equipe científica de desenvolvimento dessa missão.

A programação do evento contempla inúmeras palestras para estimular o debate e avanço dessa ciência. Além disso, também será realizada uma simulação na ilha de Tupé para medir o nível do rio Negro a partir de receptores de satélites que são utilizados na validação de dados coletados diretamente do espaço.

Atualmente, cinco satélites fornecem informações sobre o nível de água dos rios brasileiros, assim como de qualquer outro país no mundo. São eles: Jason-3 , Sentinel 3a , Sentinel 3b , Icesat 2 e Cryosat-2, sendo mais de 1.000 estações virtuais em operação apenas na América do Sul. Entre os satélites que pararam de operar, mas possibilitaram o levantamento de uma base de dados, destacam-se: Envisat, Jason-2 , Jason-1 , Saral e Icesat.

 A América do Sul conta com mais de 1.000 estações virtuais. Reprodução: hydroweb.theia-land.fr
Para realizar previsões de níveis dos rios, no período de inundações e secas, em pontos de interesse do país, é preciso observar também o comportamento das águas nas regiões que fazem fronteira com o Brasil. E a tecnologia espacial tem colaborado para expandir este monitoramento, estimando os níveis dos rios e a precipitação das chuvas, além de possibilitar o progresso geocientífico e complementação do monitoramento realizado por estações pluviométricas e fluviométricas da Rede Hidrometeorológica Nacional, que é operada pelo Serviço Geológico do Brasil, em parceria e com financiamento da Agência Nacional de Águas (ANA).

De acordo com o engenheiro cartógrafo da (CPRM), Daniel Moreira, as principais áreas transfronteiriças são: o Alto Rio Negro, com fronteiras com a Colômbia e Venezuela; rio Solimões em Tabatinga (tríplice fronteira Brasil, Colômbia e Peru); rio Madeira (fronteira com a Bolívia); entre outros pontos. "Além disso, temos outras bacias além da Amazônica, a exemplo da bacia do rio Paraguai que também carece de monitoramento principalmente fora dos limites territoriais brasileiros”, destacou.

“As regiões de fronteira, principalmente no Norte, são pouco habitadas. Muitas infelizmente tem conflitos e são rotas de tráfico de drogas, dentre outras atividades ilegais, o que aumenta a dificuldade e segurança da operação em campo. Os satélites buscam reduzir essa lacuna de insuficiência e incerteza de informações também sobre as águas, além da fronteira, nos países vizinhos”, acrescentou Moreira.

Ainda segundo Moreira, “em geral, a região Amazônica já traz uma complexidade, pois em geral a distância dos pontos de monitoramento para as superintendências regionais da CPRM são enormes”. “Apesar de termos estações em campo automáticas que transmitem dados através de celular ou comunicação via satélite, essas estações requerem manutenção com visita periódica, de forma a garantir a qualidade da informação gerada. Muitas dessas estações só podem ser visitadas por barco ou por avião. Caso surja um problema, mesmo com equipamento automático, semanas podem se levar até que o conserto seja providenciado”, disse.

O líder do grupo de pesquisa na área de Hidrologia da missão SWOT, Jean-François Cretaux do CNES, o cientista Ernesto Rodriguez da NASA (Agência Espacial Americana), o diretor de pesquisa Stéphane Calmant do IRD que é especialista na validação e calibração de dados de satélites, e outras referências mundiais irão palestrar na conferência internacional.

A equipe brasileira, assim como os membros da equipe científica do SWOT, terá acesso primário aos dados a serem obtidos pela missão e participará ainda da validação e calibração do satélite, que irá monitorar todos os oceanos e rios do mundo. Em especial no Brasil serão estudados o Alto Rio Negro, rio Paraguai e rio São Francisco, diariamente, durante seis meses.

Representantes de diversos países da América do Sul, como Colômbia, Peru, Chile, Bolívia e Uruguai, também estarão presentes.

Um acordo de cooperação técnica entre a CPRM e o IRD será assinado durante o evento para formalizar a pesquisa de Hidrologia por satélites entre as instituições. Por intermédio desta parceria foram publicados diversos artigos em revistas internacionais e capacitação do quadro técnico da CPRM a nível de mestrado e doutorado. Os pesquisadores e analistas em Geociências já publicaram dissertações e teses sobre esta linha de pesquisa. Outros estudos estão em andamento. Entre os profissionais estão: Alceu Mendel, Ana Carolina Costi, André Santos, Arthur Abreu, Bernardo Oliveira, Daniel Moreira, Fabio Araújo da Costa, Luana Martins e Mauro Trindade.

O acordo será assinado por: Marie-Pierre Ledru, representante do IRD no Brasil; Esteves Colnago, diretor-presidente da CPRM; Antônio Bacelar, diretor de Hidrologia e Gestão Territorial da CPRM; e Maria-Glicia da Nóbrega Coutinho, chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais da CPRM.

Além da missão SWOT, o Serviço Geológico do Brasil também tem expectativa do lançamento da missão SMall Altimetry Satellites for Hydrology (SMASH), que pretende fazer o primeiro teste para uma altimetria espacial operacional com frequência diária, onde serão colocados em órbita 10 nano satélites exclusivos para o monitoramento hidrológico, sendo possível assim obter informações diárias do nível de água nos principais rios da América do Sul.

Saiba mais sobre a pesquisa brasileira em desenvolvimento na missão SWOT, acesse: https://swot.jpl.nasa.gov/project-moreira.htm

Clique aqui e confira o site do evento.


Pedro Henrique Santos
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil (CPRM)
pedro.pereira@cprm.gov.br
(61) 99332-8728
  • Imprimir