Quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

CPRM apresenta estudos em desenvolvimento e ações futuras a moradores do Bairro Pinheiro, em Maceió

Jorge Pimentel, pesquisador em Geociências da CPRM, expôs as atividades realizadas e as que ainda serão executadas pela empresa.
A reunião realizada na quarta-feira (16), no auditório da Prefeitura Municipal de Maceió, Alagoas, reuniu moradores do Bairro Pinheiro e representantes do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), da Agência Nacional de Mineração (ANM), Defesa Civil Municipal, Estadual e Nacional, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Defensoria Pública, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), Ministério Público Municipal e Estadual, além de vereadores e do vice-prefeito.

A mesa de reunião foi composta por representantes dos moradores, autoridades e pesquisadores e técnicos das organizações governamentais. Durante o encontro, o geólogo Thales Sampaio, coordenador do grupo de trabalho da CPRM responsável por investigar a aparição das fissuras e afundamentos no bairro, frisou que o empenho do Serviço Geológico do Brasil em esclarecer as causas desse fenômeno é máximo. “Para isso, vamos aplicar todos os métodos geocientíficos disponíveis, com o que há de melhor no mundo. Não iremos parar de trabalhar até descobrirmos o que está acontecendo. Agora com condições diferenciadas, pois há uma determinação do Presidente da República, Jair Bolsonaro, e do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque”, acrescentou Sampaio.

Jorge Pimentel pesquisador em Geociências da CPRM apresentou às autoridades e moradores o plano de trabalho da empresa que elenca linhas de atuação a serem desenvolvidas e as hipóteses que estão sendo estudadas para o entendimento dos principais fatores desencadeadores dos processos geológicos na região. Segundo Pimentel, o relatório final será divulgado até o final de junho. “Ainda serão serão executados levantamentos que envolvem métodos geofísicos, interferometria, sondagens geotécnicas, perfurações de poços, nivelamento topográficos e batimétricos, entre outros”, afirmou.

Estão sendo executados levantamentos geofísicos pelo método de eletrorresistividade no bairro Pinheiro e levantamentos batimétricos e sísmicos na Lagoa do Mundaú e Manguaba. De acordo com Adelaide Maia, chefe do Departamento de Gestão Territorial (DEGET) da CPRM, 53 pesquisadores participam da pesquisa.

Residentes do bairro Pinheiro de Maceió acompanharam as exposições da CPRM, ANM e Defesa Civil Municipal, Estadual e Nacional. Ao responder uma pergunta de uma moradora presente na reunião sobre o andamento dos estudos, Adelaide argumentou que o Serviço Geológico do Brasil está desde março de 2018 investigando a área e prestando apoio às ações da Defesa Civi. “Dois relatórios parciais das investigações foram emitidos entre abril e junho do ano passado. Recebemos recursos em outubro de 2018 para aquisição de equipamentos e contratação de serviços. Iremos levar a explicação técnica de maneira simples para que a população conheça o nosso trabalho”, ressaltou a chefe do DEGET.

Antiógenes de Lira, procurador de justiça, pediu que a população mantenha-se informada por meio dos sites e páginas oficiais da Prefeitura e do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Ele destacou ainda aos habitantes que não acreditem nas fake news (notícias falsas) divulgadas em mídias sociais, como grupos do aplicativo Whatsapp, Instagram e Facebook. “Não deem ouvidos às especulações e boatos, procurem informações em sites dos órgãos oficiais. Informação tem que ser buscada no local adequado”, acrescentou.

Clique aqui para fazer o download da apresentação ministrada pelo pesquisador em Geociências da CPRM, Jorge Pimentel.

Acesse todas as informações disponibilizadas até o momento pela CPRM aqui.


Pedro Henrique Santos
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
pedro.pereira@cprm.gov.br
(21) 2295-4641
  • Imprimir