Sumário - Livro "Hidrogeologia: Conceitos e Aplicações"

Módulo 1 - A Água Subterrânea 3

Capítulo 1.1 - Evolução Histórica do Conhecimento

5
1.1.1 Introdução 5
1.1.2 A Hidrogeologia no Mundo 6
1.1.3 A Hidrogeologia no Brasil 9
Referências 10

Capítulo 1.2 - Importância da Água Subterrânea 13
1.2.1 Introdução 13
1.2.2 Gestão de Ofertas versus Demandas 13
1.2.3 A Gestão Integrada das Águas 14
1.2.4 Poço Bem Construído versus Buraco 16
1.2.5 O Preço da Água Gratuita 17
1.2.6 As Funções dos Aquíferos na Gestão Integrada 19
1.2.7 Recarga, Armazenamento e Descarga 20
1.2.8 Planejamento e Gestão 22
1.2.9 Potenciais de Águas Subterrâneas no Brasil 23
1.2.10 Considerações Finais 27
Referências  27

Capítulo 1.3 - A Água Subterrânea no Brasil 31
1.3.1 Introdução  31
1.3.2 Mapa Hidrogeológico do Brasil. 31
1.3.3 Províncias Hidrogeológicas do Brasil 38
Referências  47

 


 

Módulo 2 - Água Subterrânea em Meios Porosos Homogêneos   51

 

Capítulo 2.1 - Ocorrência das Águas Subterrâneas  

53
2.1.1 Introdução 53
2.1.2 Origem e Circulação - Ciclo Hidrológico 53
2.1.3 Equação do Balanço Hídrico 54
2.1.4 Distribuição Vertical da Água no Subsolo 58
2.1.5 Geologia da Água Subterrânea  62
2.1.6 Água Subterrânea em Zonas Costeiras 70
Exercícios Propostos 73
Referências 74

Capítulo 2.2 - Movimento das Águas Subterrâneas 77
2.2.1 Introdução 77
2.2.2 Lei de Darcy 77
2.2.3 Equação de Bernoulli e Potencial Hidráulico 83
2.2.4 Anisotropia e Heterogeneidade  84
2.2.5 Equação da Continuidade (Conservação da Massa d’Água) 85
2.2.6 Equação Geral do Fluxo Subterrâneo 85
2.2.7 Redes de Fluxo 88
Exercícios Propostos  88
Referências 91
Anexos 91


 

 

Módulo 3 - Água Subterrânea em Meios Heterogêneos 95

 

Capítulo 3.1 - Conceitos de Análise Estrutural Aplicados à Hidrogeologia de Terrenos

Cristalinos  97
3.1.1 Introdução  97
3.1.2 Conceitos Clássicos da Hidrogeologia do Cristalino e Problemas Inerentes 97
3.1.3 Conceitos Básicos de Análise Estrutural - A Deformação Frágil 99
3.1.4 Cronologia e Nível Crustal da Deformação 104
3.1.5 O Contexto Tectônico Regional e suas Implicações: o Exemplo da Borborema 105
3.1.6 Neotectônica e a Evolução Crustal Holocênica 107
3.1.7 Implicações do Contexto Tectonoestrutural para a Hidrogeologia de Terrenos Cristalinos 108
3.1.8 Efeito da Exumação e do Intemperismo sobre a Permo-Porosidade das Rochas 113
3.1.9 Modelos de Ocorrência de Água Subterrânea em Terrenos Cristalinos 115
3.1.10 Observações Finais 117
3.1.11 Agradecimentos 117
Referências  117

Capítulo 3.2 - Hidrogeologia dos Meios Fissurados 121
3.2.1 Introdução 121
3.2.2 Análise da Fissura Elementar 121
3.2.3 Características do Meio 123
3.2.4 Fatores que Influem nas Características Hidrodinâmicas do Aquífero “Fissural” 124
3.2.5 Origem e Mecânica da Deformação Ruptural 130
3.2.6 Fluxo em Meio Fissurado  137
3.2.7 Locação de Poços 141
Referências 150

Capítulo 3.3 - Hidrogeologia de Meios Cársticos 153
3.3.1 Introdução  153
3.3.2 Caracterização do Aquífero Cárstico 153
3.3.3 Estudo Hidrogeológico em Aquífero Cárstico 161
3.3.4 Explotação das Águas Subterrâneas em Carste 166
3.3.5 Aspectos Ambientais em Zonas Cársticas 169
Referências 172


 

 

Módulo 4 - Pesquisa de Água Subterrânea 177

 

Capítulo 4.1 - Metodologia Básica de Pesquisa de Água Subterrânea

179
4.1.1 Introdução 179
4.1.2 Tipos de Estudos na Pesquisa de Água Subterrânea 179
4.1.3 Levantamentos Preliminares 181
4.1.4 Caracterização Geológica e Geométrica dos Aquíferos 182
4.1.5 Caracterização Hidrogeológica Quantitativa 185
4.1.6 Caracterização Hidrogeológica Qualitativa 202
4.1.7 Produtos e Resultados 202
4.1.8 Aspectos sobre Gestão de Aquíferos 204

Referências

 

206
Capítulo 4.2 - Métodos Geofísicos  209
4.2.1 Introdução 209
4.2.2 Métodos de Campos Naturais 210
4.2.3 Métodos de Campos Artificiais 216
4.2.4 Levantamentos Aerogeofísicos 247
4.2.5 Quantificação em Geofísica 250
Referências 252

Capítulo 4.3 - Métodos Isotópicos 255
4.3.1 Introdução  255
4.3.2 Fundamentos Teóricos e Definições 255
4.3.3 Isótopos Estáveis 255
4.3.4 Oxigênio-18 e Deutério 256
4.3.5 Isótopos Instáveis 259
4.3.6 Carbono-14 e Trítio 259
4.3.7 Modelos de Interpretação 263
4.3.8 O Uso de Isótopos Ambientais na Hidrogeologia 264
Exercícios Propostos 269

Referências

 

270
Capítulo 4.4 - Sensoriamento Remoto 273
4.4.1 Introdução 273
4.4.2 Evolução do Conhecimento 273
4.4.3 Conceitos e Fundamentos Básicos 274
4.4.4 Características das Imagens Orbitais 277
4.4.5 Pré-Processamento de Imagens Orbitais 278
4.4.6 Realce de Imagens Digitais 280
4.4.7 Classificação de Imagens Digitais 287
4.4.8 Interpretação de Padrões de Drenagem 288
4.4.9 Considerações Finais 290
4.4.10 Estudo de Caso 290
Referências 292

Capítulo 4.5 - Geoprocessamento em Ambiente SIG Aplicado à Hidrogeologia 293
4.5.1 Introdução 293
4.5.2 O Que é um SIG? 293
4.5.3 Componentes de um SIG 294
4.5.4 Estrutura de um SIG 296
4.5.5 Como os Objetos do Mundo Real são Representados no SIG 297
4.5.6 Como Funciona um SIG 298
4.5.7 Características Básicas dos Dados Espaciais 298
4.5.8 Tipos de Dados em um SIG 299
4.5.9 Exemplos de Aplicação 302
4.5.10 Considerações Finais 317

Referências

318

 

 

 

Módulo 5 - Qualidade das Águas Subterrâneas

 

 

323

 

Capítulo 5.1 - Noções de Hidroquímica

325
5.1.1 Introdução 325
5.1.2 Análises de Água 325
5.1.3 Caracterização da Qualidade das Águas 330
5.1.4 Princípios de Classificação das Águas 340
5.1.5 Padrões de Qualidade das Águas 343
5.1.6 Padrões de Referência de Qualidade Ambiental 347
Referências 357

 

Capítulo 5.2 - Geoquímica das Águas Subterrâneas

359
5.2.1 Introdução 359
5.2.2 Conceitos Fundamentais 359
5.2.3 Fundamentos da Hidrogeoquímica 362
5.2.4 Mineralização das Águas Subterrâneas 372
5.2.5 Interpretação dos Dados de Qualidade da Água  375
5.2.6 Hidrogeoquímica de Climas Tropicais 378
Exercícios Propostos 379

Referências

 

379
Capítulo 5.3 - Contaminação das Águas Subterrâneas 381
5.3.1 Introdução 381
5.3.2 Fundamentos Básicos 381
5.3.3 Comportamento Hidroquímico de Contaminantes 389
5.3.4 Transporte de Massa 391
5.3.5 Estudo de Caso 401
Exercícios Propostos  402
Referências  402

Capítulo 5.4 - Vulnerabilidade à Poluição de Aquíferos 405
5.4.1 Introdução 405
5.4.2 Evolução do Conceito de Vulnerabilidade 405
5.4.3 O Comportamento de Contaminantes e a Vulnerabilidade de Aquíferos 407
5.4.4 Os Métodos de Cartografia da Vulnerabilidade 412
5.4.5 Limitações do Uso dos Mapas de Vulnerabilidade de Aquíferos 414
5.4.6 A Vulnerabilidade em um Programa de Gestão de Recursos Hídricos 418
5.4.7 O Futuro dos Métodos de Vulnerabilidade de Aquíferos 422
Referências 423


 

 

Módulo 6 - Explotação das Águas Subterrâneas 427

 

Capítulo 6.1 - Projeto e Construção de Poços

429
6.1.1 Introdução. 429
6.1.2 Tipos de Poços 429
6.1.3 Métodos de Perfuração. 431
6.1.4 Projeto de Poços Tubulares 436
6.1.5 Reabilitação e Manutenção de Poços Tubulares 448

6.1.6 Contribuições da Indústria do Petróleo à Engenharia de Perfuração 

450
Referências 457

Capítulo 6.2 - Perfilagem Geofísica Aplicada à Água Subterrânea  459
6.2.1 Introdução  459
6.2.2 Obtenção dos Perfis 460
6.2.3 Equipamentos Essenciais para a Obtenção de um Perfil 460
6.2.4 A Malha API para Registro das Curvas dos Perfis 460
6.2.5 O Meio Ambiente de uma Ferramenta de Perfilagem 460
6.2.6 Propriedades Físicas das Rochas 463
6.2.7 Propriedades Elétricas das Rochas 464
6.2.8 Propriedades Acústicas das Rochas 467
6.2.9 Propriedades Radioativas das Rochas 468
6.2.10 Principais Tipos de Perfis Geofísicos 470
6.2.11 Raios Gama Convencional (RG ou GR) 471
6.2.12 Potencial Espontâneo (SP) 473
6.2.13 Elétricos Convencionais (ES) 478
6.2.14 Indução  480
6.2.15 Micro Elétrico 485
6.2.16 Perfil Sônico 486
6.2.17 Cáliper ou Calibre do Poço  491
6.2.18 Desvio ou Inclinação do Poço 493
6.2.19 Temperatura 494
6.2.20 Interpretação Final dos Perfis Geofísicos de Poços 495
6.2.21 Estudo de Caso de Interpretação Preliminar 499
6.2.22 Estudo de Caso de Interpretação de Detalhe 502
6.2.23 Usos, Limitações e Vantagens dos Perfis Geofísicos de Poços 503
6.2.24 Considerações Finais 504
Referências 505

Capítulo 6.3 - Testes de Bombeamento em Poços Tubulares 507
6.3.1 Introdução 507
6.3.2 Classificação de Testes de Bombeamento 507
6.3.3 Sistemas de Bombeamento  509
6.3.4 Medição de Nível d’Água  509
6.3.5 Medição de Vazões 511
6.3.6 Planejamento e Execução dos Testes 517
6.3.7 Controle de Interferências 518
6.3.8 Condições e Normas de Execução 520
6.3.9 Registro dos Dados 521
Referências 522
Anexos 523

Capítulo 6.4 - Análise de Fluxo para Poços em Meios Homogêneos 527
6.4.1 Introdução 527
6.4.2 Características e Parâmetros Físicos de Aquíferos e Poços 528
6.4.3 Fluxo Radial para Poços 531
6.4.4 Fluxo para Poços em Regime Estacionário 533
6.4.5 Fluxo para Poços em Regime Transiente 541
6.4.6 Análise de Fluxo para Poços de Grande Diâmetro 555
6.4.7 Penetração Parcial em Poços 556
6.4.8 Fronteiras Hidráulicas - Teoria das Imagens 557
Exercícios Propostos 565
Referências 567
Anexos 569

Capítulo 6.5 - Análise de Fluxo para Poços em Meios Heterogêneos 575
6.5.1 Introdução 575
6.5.2 Conceitos Básicos 575
6.5.3 Modelagem de Sistemas de Fraturas 581
6.5.4 Geometria Fractal Aplicada 588
Exercícios Propostos 595
Referências  595

Capítulo 6.6 - Eficiência Hidráulica de Poços 599
6.6.1 Aspectos Gerais 599
6.6.2 Rebaixamento em um Poço Bombeado 599
6.6.3 Conceito de Raio Crítico 601
6.6.4 Decomposição das Perdas de Carga em Poços 602
6.6.5 Cálculo dos Rebaixamentos Parciais - Aquífero Confinado 604
6.6.6 Eficiência Hidráulica de Poços 605
6.6.7 Análise de Sensibilidade dos Fatores Influentes na Eficiência 606
6.6.8 Determinação da Equação Característica de Funcionamento do Poço através de
Teste de Produção Escalonado 608
6.6.9 Determinação da Perda de Carga Laminar na Zona de Transição do Pré-Filtro
(B2 Q)  610
6.6.10 Custo da Água Produzida 612
6.6.11 Aplicação do Método de Análise 612
Referências 616

Capítulo 6.7 - Capacidade de Produção de Poços 617
6.7.1 Introdução 617
6.7.2 Conceitos Básicos 617
6.7.3 Avaliação de Vazões de Explotação de Poços Tubulares em Meios Homogêneos 622
6.7.4 Avaliação de Baterias de Poços 625
6.7.5 Avaliação de Vazões de Explotação de Poços Tubulares em Meios Heterogêneos 634
6.7.6 Poços de Grande Diâmetro - Método de Porchet 637
Referências 639
Anexos 641

Capítulo 6.8 - Sistemas de Bombeamento 645
6.8.1 Introdução 645
6.8.2 Conceitos Básicos 645
6.8.3 Tipos de Bombas 650
6.8.4 Dispositivos de Acionamento e Proteção 654
6.8.5 Seleção da Bomba 655
6.8.6 Manutenção 655
Exercícios Propostos 656
Referências 656


 

 

Módulo 7 - Planejamento e Gerenciamento das Águas Subterrâneas 659

 

Capítulo 7.1 - Avaliação de Recursos Hídricos Subterrâneos

661
7.1.1 Introdução 661
7.1.2 Evolução do Conhecimento 661
7.1.3 Reservas versus Recursos de Água Subterrânea. 661
7.1.4 Reservas de Água Subterrânea 662
7.1.5 Recursos de Água Subterrânea 662
Referências 669

Capítulo 7.2 - Monitoramento em Água Subterrânea 673
7.2.1 Introdução 673
7.2.2 Conceitos e Objetivos do Monitoramento 673
7.2.3 Implantação de Redes de Monitoramento 674
7.2.4 Monitoramento do Estado Quantitativo 677
7.2.5 Monitoramento do Estado Qualitativo 677
7.2.6 Controle de Qualidade e Interpretação dos Dados 681
7.2.7 Armazenamento dos Dados - Sistemas de Informações 682
7.2.8 Considerações Finais 683
Referências 684

Capítulo 7.3 - Aplicações de Modelos em Hidrogeologia 687
7.3.1 Introdução 687
7.3.2 Tipos de Modelo 687
7.3.3 Modelo Conceitual 689
7.3.4 Obtenção de Dados  691
7.3.5 Condições de Contorno  693
7.3.6 Método das Diferenças Finitas  694
7.3.7 Noções de Modelos de Transporte de Poluentes 699
7.3.8 Método de Elementos Finitos 700
7.3.9 Estudo de Caso - Aquífero Cabeças no Vale do Gurgueia-PI 702
7.3.10 Considerações Finais 704
Referências 705

Capítulo 7.4 - Cartografia Hidrogeológica 709
7.4.1 Introdução 709
7.4.2 Conceituação de Mapa Hidrogeológico 709
7.4.3 Escalas e Elementos dos Mapas Hidrogeológicos 710
7.4.4 Tipos de Mapas 712
7.4.5 Legenda para Mapas Hidrogeológicos 715
7.4.6 Exemplos de Mapas Hidrogeológicos 721
Referências 723

Capítulo 7.5 - Uso e Gestão de Água Subterrânea 725
7.5.1 Introdução 725
7.5.2 Os Diversos Tipos de Uso 726
7.5.3 Potencialidade Hídrica Mundial e o Uso da Água Subterrânea 727
7.5.4 Reutilização da Água 730
7.5.5 Recarga Artificial 731
7.5.6 Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos Subterrâneos 732
Referências 741

Capítulo 7.6 - Sistemas de Informações em Água Subterrânea 743
7.6.1 Introdução 743
7.6.2 Conceitos Básicos sobre Sistemas de Informações 743
7.6.3 Conceitos em Bancos de Dados 743
7.6.4 Sistemas de Informações sobre Recursos Hídricos 744
7.6.5 Sistema de Informações de Águas Subterrâneas - Siagas 747
7.6.6 O Siagas e a Gestão das Águas Subterrâneas 758
7.6.7 Extração de Conhecimento em Bases de Dados - Processo KDD 758
Referências 760

 

 

 

Apêndices

763
Apêndice 1 - Noções de Cálculo Aplicado 763
A.1.1 Funções de Duas ou Mais Variáveis 763
A.1.2 Limites e Continuidade (vizinhança em um espaço de duas ou mais dimensões) 764
A.1.3 Derivadas Parciais 766
A.1.4 Diferenciabilidade e Diferenciais 767
A.1.5 Plano Tangente e Normal a uma Superfície 769
A.1.6 Derivada Dirigida e Gradiente 771
A.1.7 Integrais Duplas (área sob uma curva e a integral definida) 774
A.1.8 Integrais Triplas 777
A.1.9 Elementos de Análise Vetorial 779
A.1.10 Integrais de Linhas 780
A.1.11 Áreas de Superfície e Integrais de Superfície 784
A.1.12 Divergência e Rotacional (CURL) de um Campo Vetorial no R3 787
A.1.13 Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valor de Contorno 789
Referências 792

Apêndice 2 - Noções de Geoestatística Aplicada 793
A.2.1 Introdução 793
A.2.2 Descrição Univariada 793
A.2.3 Descrição Bivariada 798
A.2.4 Descrição Espacial 801
Referências 812