Recuperação de Áreas Degradadas por Carvão na Bacia Carbonífera de Santa Catarina

No âmbito da Ação Civil Pública n° 93.8000533-4, que tem como objetivo a recuperação ambiental das áreas degradadas pela mineração do carvão no sul de Santa Catarina, a CPRM foi designada pelo Ministério de Minas e Energia - MME para implementar obras e serviços de engenharia, iniciadas em 2013, para a recuperação dos passivos ambientais das extintas empresas: Carbonífera Treviso S/A (1.001,09 ha de áreas mineradas a céu aberto com uso de Dragline) e Companhia Brasileira Carbonífera Araranguá – CBCA (129,54 ha de área minerada por lavra subterrânea), além de áreas cuja a mineração foi encerrada antes de 1972 (71,00 ha).

A ação governamental é de longo prazo, em função da extensão das áreas degradadas. Trata-se de um conjunto de áreas impactadas distribuídas nas bacias hidrográficas dos rios Tubarão, Araranguá e Urussanga. Os problemas ambientais estão relacionados às atividades decorrentes da mineração nestes locais, como: retirada da cobertura vegetal, inversão das camadas estratigráficas, disposição irregular de pilhas de rejeito, e erosão.

A geração de drenagem ácida, que ocorre devido à oxidação de sulfetos, contamina as águas superficiais e subterrâneas. A liberação de gases e a combustão espontânea em pilhas de rejeito causam alteração na qualidade do ar. As atividades minerárias causam interconectividade de águas superficiais com águas subterrâneas e captura de rios e córregos devido ao falhamento causado pela subsidência.



Veja Também

Contato e Informações

Marlon Hoelzel
E-mail: marlon.hoelzel@cprm.gov.br

  • Imprimir